segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Viagens para dentro e fora de mim - postagem final


Esta é a postagem final de textos do livro Viagens para dentro e fora de mim, contendo as páginas 77 a 90. A partir de agora, começarei a fazer a distribuição dos exemplares impressos em papel.

Por oportuno, manifesto os melhores votos de um feliz 2018 aos queridos leitores, com a minha gratidão pelo incentivo à manutenção deste blog, de natureza exclusivamente literária, que fechou o ano com os seguintes registros estatísticos de visitas: Brasil - 62.698; Estados Unidos e Canadá - 11.205; Europa - 6.425; Ásia - 204.


           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim

 CONTEÚDO POEMÁTICO DESTA POSTAGEM

DROGADO
77
TRÊS INSTANTES
78
APENAS POETA
79
À DERIVA
80
PLANTADOR
81
CAMINHANDO SEMPRE
82
A LUZ DO TEU OLHAR
83
RECUSAS
84
O VÍCIO DE VOCÊ
85
AOS PRETENSOS JUÍZES
86
SEQUENCIAL
87
EM BUSCA DO DESTINO
88
SÌNTESE BIOBIBLIOGRÁFICA DO AUTOR
89





                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          77

               DROGADO

Sempre que pega algum trocado micho,
daqui da rua certas horas some
para comprar a droga que consome,
mas logo volta, feito um homem-bicho.

Nele atua a má sina com capricho:
sob efeito da droga, esquece o nome
e até se serve, quando está com fome,
dos restos de comida que há no lixo.

É simplesmente um ser que subsiste
no curso de uma vida louca, triste,
em que de humano já não restam traços.

E para ele o mundo é algo estranho,
sem sentido, sem forma, e do tamanho
que cabe seu vaivém de poucos passos...




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          78

TRÊS INSTANTES

Agora,
deves guardar silêncio
e escutar-me simplesmente;
deixar-me dizer-te
tudo o que te omiti
sobre meus pensamentos,
palavras e atos
de que não foras o alvo;
permitir-me revelar-te
todas as minhas mentiras,
fingimentos e traições
ao longo desses anos.

Depois,
será a tua vez
de livremente me fazeres
as tuas confissões,
a que ficarei atento,
sem buscar razões
e sem questionamentos.

Mais tarde,
deveremos considerar
o que nos dissemos
e, vestidos de sensatez,
despidos de rancor e mágoa,
teremos de decidir
entre duas opções:
– ou nos perdoarmos mutuamente
num abraço de reenlace;
– ou virarmos as costas um ao outro
para o começo de um caminhar
em direções opostas...


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          79

 APENAS POETA

Se a Poesia me inspira o amor por tema,
sigo um hábito meu, já muito antigo:
torno-me personagem de um poema,
e conter meus impulsos não consigo.

Assim, versejo sem prender-me à algema
da censura e sem ver qualquer perigo
de provocar um conjugal problema
que afete tua relação comigo.

Sou só poeta, não quero desfeita
nossa união, quando a escrever me excedo,
nem que vivas em clima de suspeita.

Por não ferir-te, se eu buscasse acesso
a novo amor, faria isso em segredo;
e o que faço em segredo não confesso.



                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          80

 À DERIVA


Não é que eu seja mau velejador,
sou apenas desleixado
e não posso velejar sozinho,
sem te ter por bússola
a indicar o meu norte
e por luz que não me deixe
desviar de rumo.

Por um impulso fui levado
a navegar por mar desconhecido
sem a tua companhia,
e simplesmente paguei
pela minha imprudência:
tombou o mastro sob a ventania
e o leme espatifou-se nos abrolhos.

Num barco à deriva,
sem vela e sem leme,
é como me sinto agora
não te tendo comigo...


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          81

           PLANTADOR


Fiz-me ativista e dediquei-me a planos
com vistas a lutar pela melhora
das condições de meus irmãos humanos,
contra os quais a injustiça inda vigora.

Até bem perto dos sessenta anos,
não fui quieto como estou agora,
e usei, às vezes, métodos insanos
para espalhar ideias vida a fora.

Fui um cultivador de sonhos, sim;
enquanto o fui, mostrei a muita gente
como plantar sementes de esperança.

Sei que colhi bem pouco para mim,
mas vendo os que ensinei, fico contente
com cada um que melhor safra alcança.





                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          82

                         CAMINHANDO SEMPRE

Foram muitas caminhadas         Ao ir aonde não fui,
pelas estradas da vida,               já não busco fama ou glória:
e hoje, com setenta e três,         sim, tomar novas lições,
respeitados meus limites,           colher mais conhecimento
ainda solto meus passos,           para pôr em meus vazios
de volta a chãos já pisados        que, quanto mais eu preencho,
ou rumo aonde não fui.               maiores ficam em mim.

O caminhar pela vida
vale a pena para o homem
enquanto a alma o deseje,
e pouco importa que o corpo,
sentindo o peso dos anos,
só lhe permita fazê-lo
devagar, a passos lentos...

Continuo a caminhar,
feliz, descomprometido
com vaidades e ambições,
deixando o vento levar-me
aonde queira o pensamento,
para refazer percursos
ou descobrir novas trilhas.

De volta a chãos já pisados
por mim, revejo as vitórias,
como também os fracassos
que tive e que me ensinaram
a corrigir certos erros
e a criar boa estratégia
para aplicar noutra luta.


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          83

    A LUZ DO TEU OLHAR


Sempre que a terna luz do teu olhar
atinge os olhos meus suavemente,
experimento uma emoção sem par,
em meio a tantas que minh’alma sente.

Um tipo de emoção tão singular,
que me invade de um jeito diferente,
tornando-me capaz de levitar,
em êxtase, de tudo mais ausente!...

Às vezes, tento descobrir a cor
com que a luz dos teus olhos me irradia
igual fascínio. Então, fico a supor

uma composição que o Criador
fez das cores do Sonho e da Poesia,
para pôr nessa luz a cor do amor.



                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          84

            RECUSAS


Ontem te convidei para um passeio,
porém tu recusaste o meu convite,
e na desculpa que me deste, veio
a alegação de crise de rinite.

Hoje vou te propor um dia cheio
de carinho e prazeres, sem limite,
mas estou, em verdade, com receio
de que me alegues uma encefalite.

Cada vez que me negas teu carinho
toda a alegria de minh’alma some,
e então me sinto como um bebezinho

que se contorce dentro do seu leito
e em pranto denuncia a dor da fome,
enquanto a mãe fica a negar-lhe o peito.



                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          85

       
           O VÍCIO DE VOCÊ


Sinceramente, sinto-me um menino
sempre que com você, tardes inteiras,
envolvo-me em adultas brincadeiras
em que demonstro quanto sou “malino”.

Você cai em gostoso desatino,
sob o calor de lúbricas fogueiras
que acendo, a explorar de mil maneiras
as curvas do seu corpo pequenino.

... Penso em abdicar a certos vícios
que já se me tornaram de rotina,
embora isso me custe sacrifícios.

Mas não incluo aí aquele que
é, entre todos, o que mais domina
minha vontade: O VÍCIO DE VOCÊ!







                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          86

AOS PRETENSOS JUÍZES

Situações me acontecem
de maneira inusitada,
e não me resta, senão
nelas deixar-me envolver
sem qualquer questionamento
quanto a se certas, ou não.

Vou me deixando levar
pelos ventos da emoção;
vivo-as e as procuro ver
como sendo naturais,
enquanto me fazem bem,
enquanto me dão prazer.

Quem acha que estou errado
mostre-me quem nunca errou,
ou então me ensine um jeito
de evitar que as doces setas
atiradas por Cupido
venham cravar-se em meu peito.

Sou um simples ser humano,
posso até ter alma forte,
mas “a carne é fraca”... Assim,
quando erro por amor,
dou “bananas” a quem queira
fazer-se juiz de mim!


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          87

                               SEQUENCIAL

O magnetismo das trocas de olhares,              A paixão,       
os toques "involuntários" de mãos,                   paixão que faz doer,
a convergência de desejos parecidos,             as primeiras feridas,
a eclosão do beijo não programado,                paixão que faz lembrar,
o abraço ativador                                              paixão que dá saudade,
da química natural                                            paixão que faz o "caedere"
em que se tornam mistura perfeita                   virar "cida" em nossa língua,
sensações e emoções compatíveis...               às vezes junto com "homo"
                                                                          e outras vezes, com "sui"...
A descoberta do amor,
o sonho da "vie en rose"                                   Pelas minhas
a fluir pelos canais                                            não mato,
das mentes fascinadas,                                    não me mato,
o compartilhamento das mesmas alegrias,      simplesmente me morro...
a realidade dos contatos mais íntimos,
a empolgação das carícias,
o sexo, a luxúria,
o prazer das fusões carnais
na beleza do estar juntos...

Os problemas do cotidiano,
os primeiros arranhões,
as primeiras feridas,
os primeiros sinais de desafeto,
o azinavre nos conectores da relação,
a queda de intensidade
na corrente do amor,
as crises,
o desenlace...


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          88

 EM BUSCA DO DESTINO

Há muito tempo vivo além do muro
que me prendia a mim e a tudo quanto
me inspirava limites, entretanto
meu horizonte ainda é quase escuro.

Tenho me dado a esse trabalho duro
de vagar pela vida, canto a canto,
e embora tenha viajado tanto,
não consegui achar o que procuro.

Mas, quando venho de qualquer jornada,
logo depois que tiro os pés da estrada,
limpando todo o pó, me determino

a não parar, e me encho de coragem
para o começo de nova viagem
em busca de chegar ao meu destino.


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          89

 SÍNTESE BIOBIBLIOGRÁFICA DO AUTOR

KLEBER CANTANHEDE LAGO (21/2/1942, Pedreiras - MA). Contador, professor e servidor público federal.

DOMICÍLIOS NO CURSO DA VIDA: Pedreiras - MA, até 1960 e de 1964 a 1975; Rio de Janeiro - RJ, de 1960 a 1964 e de 1975 a 1982; Teresina - PI, de 1982 a 1991; São Luís - MA, a partir de 1991.

EXERCÍCIO DO MAGISTÉRIO: (Língua Portuguesa): Ginásio Corrêa de Araújo e Escola Normal Messias Filho (Pedreiras - MA) e Instituto Dom Barreto (Teresina - PI).

VÍNCULO COM ENTIDADES LITERÁRIAS: Membro fundador da Academia Pedreirense de Letras e membro efetivo da Academia Poética Brasileira.

CARGOS E FUNÇÕES: Dirigente Municipal da CNEC, Secretário Municipal de Administração, Vereador, Presidente da Academia Pedreirense de Letras (Pedreiras - MA); Coordenador do Núcleo de Apoio Gerencial, Diretor do Departamento de Convênios, Assessor Especial do Reitor, Assessor junto à Pró-Reitoria de Gestão e Finanças (Universidade Federal do Maranhão, São Luís - MA).

TÍTULOS E HONRARIAS: Amigo da Universidade da Terceira Idade - UNITI; Comenda Corrêa de Araújo - Câmara Municipal de Pedreiras; Honra ao Mérito - Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão.

BIBLIOGRAFIA
Livros: Pedreiras (1970, 2ª ed. 1988), Palavras (1988), Da Cidade e do Rio (2006), Louvação a Pedreiras (2006, 2ª ed. 2007), Um Pouco de Cada Momento (2006), Caderno de Sonetos (2007), Os Loucos de Minha Terra (2007), Água e Pedra (2008), Tempo e Distância (2008), Palavras e Outros Poemas (2009), Da Cidade, da Pedra e do Rio (2009), Deixem tudo como está (2009), Reprodução Gráfica da Palestra “A produção literária e outras manifestações culturais em solo pedreirense” (2010), Sonetos que não estão no Caderno (2010), Menções, Cantos e Louvores (2011), Quadras para os Setenta, Haicais e Trovas Soltas (2011), Outros Momentos (2013), Amar e Escrever (2014), Viagens para dentro e fora de mim (2017).
Publicações em blog: kleberlago.blogspot.com 
   

Abraços os queridos leitores com carinho e gratidão.

                                       Kleber Lago
© Kleber Cantanhede Lago


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Viagens para dentro e fora de mim - Postagem parcial IV


Esta é a quarta e penúltima postagem de textos do livro Viagens para dentro e fora de mim, contendo os poemas das páginas 65 a 76. Ainda nesta semana farei a última postagem, e o livro estará pronto para ser distribuído. 


           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim

 CONTEÚDO POEMÁTICO DESTA POSTAGEM

O MAIS BELO DOS SONETOS
65
ENQUANTO VALHA A PENA
66
DEMORADA ASSUNÇÃO
67
DIA DE FINADOS
68
O SONHO
69
O GRITO  |  QUADRINHAS PARA ELISA
70
CENAS QUE SE GUARDAM PARA SEMPRE
71
SÓ DO AMOR NÃO ME DESFAÇO
72
FOI ETERNO E VALEU A PENA
73
EM ATOS E PENSAMENTOS
74
CONCEITO PRESCINDÍVEL
75
IMPASSIBILIDADE  |  BUSCA
76




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          65


O MAIS BELO DOS SONETOS


Eu chego a lamentar ter escondido
nosso caso – com medo da censura
de quem, por não provar igual ventura,
sempre inveja os que a tenham merecido.

Tivesse sido eu mais atrevido,
contando desde instantes de ternura
a momentos ardentes de loucura
e de prazer que os dois temos vivido;

pusesse eu do nosso amor tão lindo
os detalhes de todas as passagens
num conjunto de quadras e tercetos,

veria almas sensíveis aplaudindo
nossas virtudes como personagens
da história do mais belo dos sonetos.






                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          66

  ENQUANTO VALHA A PENA


Quando Cupido trouxe por mister
juntar-nos, também veio ele incumbido
de afastar o bom-senso de qualquer
poder de se fazer por nós ouvido.

Até então, não tínhamos sequer
suposto o que nos tem acontecido:
eu – contigo a enganar minha mulher;
tu – a trair comigo teu marido...

Se impura a relação, quem vai dizer
é Deus quando chegar a hora certa;
assim, aproveitemos o prazer

de, na sobra de vida tão pequena,
gozá-la e, embora não de forma aberta,
senti-la eterna enquanto valha a pena!





                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          67

 DEMORADA ASSUNÇÃO


Escrevendo (sem grande compromisso)
meus versos desde os tempos de menino,
eu nunca tive pretensão com isso
de tornar-me da escrita um paladino.

Também, não me deixava submisso
à espera por milagres do destino:
apenas divagava, e a partir disso,
versos fazia, em velho tom latino.

Em minha opinião, versejador,
de talento talvez, que satisfeito
versejava de forma ainda discreta,

até quando, inspirado pelo amor,
compus o meu poema mais perfeito
e pude me assumir como poeta.






                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          68

DIA DE FINADOS


É um dia
em que não fico triste,
não entoo cantos de dor
nem choro os meus mortos,
porque eles não me deram
motivos para lágrimas.

Simplesmente os cultuo
e, se no dia a eles consagrado,
eu lhes acendo velas
ao pé de seus túmulos,
isso é só um simbolismo
por força de tradição.

Meu culto a eles é perene,
e é de todos os dias
o meu pedido de luz
para suas almas.

 



                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          69

           O SONHO


Dentro de casa te ofendi à toa,
e tu, ao te sentires magoada,
numa atitude que de ti destoa,
de lá saíste, sem dizer-me nada.

Fiquei por uns instantes numa boa,
mas doeu quando, olhando da sacada,
vi que – com cara de quem não perdoa –
pegaste o carro em plena madrugada.

Ao sumires, me pus logo a supor
que havias decidido abandonar-me;
e eu já me achava num pesar medonho,

quando de súbito o despertador
fez-me acordar ao som de seu alarme,
a revelar-me que era só um sonho...




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          70

O GRITO

Há um grito
que vem de dentro de mim
e que não consigo conter.

É mais forte do que o grito revoltado
contra o que causa revolta,
do que o grito de dor
pelas dores humanas,
do que o grito de apelo
pela paz universal...

É o grito do amor
que se solta de meus olhares
quando fito os teus olhos;
e que, apesar da intensidade
de milhões de decibéis,
a eles te mostras surda.
                     
QUADRINHAS PARA ELISA

Amor – para bem dizer –
de palavras não precisa,
porém se eu fosse escrever
um poema para Elisa,

seria o da voz do irmão,
em linguagem bem singela,
gravando em cada expressão
o amor que sente por ela.


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          71

 CENAS QUE SE GUARDAM
             PARA SEMPRE

Noto que a lua cheia, tão bonita,
elegante, luzente, sem tropeço,
pelo céu estrelado hoje transita
muito mais clara, quase cor de gesso.

Visão igual jamais achei descrita
em versos de poetas que conheço;
e seu fascínio é tanto, que me incita
a preservá-la em mim, com grande apreço,

com outro quadro que guardei na mente:
teu alvo rosto realçando em ti
ternura e singeleza, e eu de repente,

numa atitude própria de poeta
romântico, a dizer que te elegi
meu grande amor e musa predileta!



                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          72

SÓ DO AMOR NÃO ME DESFAÇO


Já me desfiz dos mais ricos
dos meus bens materiais,
fechando as portas da alma
aos apelos da vaidade.

Renunciei aos meus sonhos
impossíveis de alcançar
e joguei fora a arrogância
para encher-me de humildade.

Incinerei meus desejos
de sucesso, fama e glória
e as cinzas deixei que os ventos
carregassem para longe.

Consegui me liberar
de pesos interiores
que estavam deixando curvos
os ombros do meu espírito.




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          73

 FOI ETERNO E VALEU A PENA


Foi amor proibido, isso é tão certo
quanto certo é que dois mais um são três,
mas entre nós foi sempre claro, aberto,
e muito bem às nossas almas fez.

Um sonho em que o real estava inserto,
atos carnais além da sensatez,
não nos passando o pensamento perto
da mais ínfima ideia de talvez!...

Só que certo temor a “sacrifícios”,
de repente, nos fez sair de cena
e imaginar que o sonho se acabou.

Mas sabemos (e aqui lembro Vinícius)
que foi eterno e nos valeu a pena
durante o curto tempo que durou.




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          74

 EM ATOS E EM PENSAMENTO

Sou cultor de teu corpo
e grande beneficiário
de suas dádivas.

Inebria-me o cheiro de tua pele,
delicia-me o sabor dos beijos
com que premias meus lábios,
apraz-me agasalhar os teus seios pequenos
nas conchas de minhas mãos,
e eu me sublimo nos rituais de amor
que vamos criando e cumprindo
para chegarmos aos extremos do prazer,
quando dividimos uma cama.

Nos dias em que não estás comigo,
eu te imagino presente,
e minha mente vai reencontrando,
reconstruindo ato por ato,
instante por instante de nossos encontros,
numa reprodução nítida
de nossos corpos ardentes
em recíproca e plena entrega
e dos sons de nossos lascivos gemidos.

E essa mentalização é como um filme
que passa em sessões repetidas
e a que nunca me canso de assistir!


                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          75

 DEMORADA ASSUNÇÃO

Escrevendo (sem grande compromisso)
meus versos desde os tempos de menino,
eu nunca tive pretensão com isso
de tornar-me da escrita um paladino.

Também, não me deixava submisso
à espera por milagres do destino:
apenas divagava, e a partir disso,
versos fazia, em velho tom latino.

Em minha opinião, versejador,
de talento talvez, que satisfeito
versejava de forma ainda discreta,

até quando, inspirado pelo amor,
compus o meu poema mais perfeito
e pude me assumir como poeta.




                           Kleber Lago - Viagens para dentro e fora de mim          76

IMPASSIBILIDADE

A terra de seu coração
ficou seca e desenhada
de rachaduras.

Ali não mais caíram
chuvas de sentimentos
não mais germinaram
as sementes do amor,
não mais voltaram folhas
aos galhos do desejo...

E tudo se refletia
num rosto em que se acentuavam
as marcas da insensibilidade
de quem se tornou capaz
de assistir impassível
ao êxodo das próprias emoções.

BUSCA

Sou, sem qualquer dúvida,
um perscrutador de mim,
mas a minha busca
é por algo essencial
de que alguém superior
dotou-me interiormente.

Quero trazê-lo para fora,
materializado
em palavras e atos,
para que, enquanto vivo,
eu consiga ser visto
no EU que ainda não sou.


Mais uma vez agradeço a atenção dos queridos leitores e os abraço com muito carinho.

                                       Kleber Lago
© Kleber Cantanhede Lago